O monte Fitzroy, superfície irregular e açoitada pelos ventos

--*--

Pináculo central de um maciço recortado que morde o céu com dentes de granito. O monte Fitzroy, de superfície irregular e açoitada pelos ventos, domina a Patagônia meridional, sendo o pico mais alto da região. Erguendo- se acima de várias geleiras locais, o imponente pináculo corta o ar e ostenta uma auréola regular de nuvens e de redemoinhos de neve que inspiraram os primitivos povos indígenas a chamarem-no de El Chaltén, que significa “montanha fumegante”.

Apesar de serem constantemente flagelados por condições atmosféricas imprevisíveis e ventos muito fortes, o Fitzroy e os cumes vizinhos são hoje destinos favoritos de alpinistas profissionais, pelo desafio que representam. No entanto, talvez a melhor maneira de apreciar o Fitzroy seja a partir de seu sopé, onde geleiras deslizam serenamente para florestas de arbustos raquíticos e árvores retorcidas, nas quais abundam aves canoras, lagos e quedas d’água.

O monte Fitzroy marca a extremidade norte de Los Glaciares, uma imensa reserva de cerca de 50 grandes geleiras e múltiplos icebergs que se separaram do segundo maior manto de gelo continental do mundo. Vale a pena visitar esse parque, decretado Patrimônio da Humanidade em 1981. 

Pampas do centro da Argentina

Oceano de grama alta somente interrompido por horizontes longínquos, lagoas e um ou outro ombu, os Pampas do centro da Argentina são uma terra ampla, plana, de cavalos bravios, guanacos – parecidos com os lhamas -, raposas endêmicas e emas. Estendendo-se da cordilheira dos Andes até a costa atlântica e com clima diferente, a região é habitat de aves raras, como os mundialmente ameaçados veste-amarela e maçarico-acanelado, que migram para lá anualmente da tundra do Alasca e do Canadá, seu local de nidificação.

Os Pampas têm alguns dos solos mais férteis do mundo, bem como a maior parte da população humana do país – uma combinação que já demonstrou ser cultural e ecologicamente desastrosa. Outrora o maior e mais característico habitat da Argentina, os Pampas são atual- mente um dos habitais mais ameaçados da Terra.

A introdução de gigantescas criações de gado, a caça e uma agricultura quimicamente intensiva só serviram para afastar grandes carnívoros, como o puma e o gato-dos-pampas. No entanto, os esforços para preservar o bioma começam a ganhar corpo. O Parque Provincial Ernesto Tornquist protege quase 6.880ha e é a maior área contínua de Pampas na Argentina.